Saneamento Básico

Saneamento básico é o termo que designa as atividades que se relacionam com o abastecimento da água potável – que é aquela que possui as propriedades e qualidades necessárias para o consumo, tanto para se beber, quanto para o preparo de alimentos -, a manipulação e o possível uso da água da chuva, a limpeza das cidades, o manejo de lixos, a vigilância de pragas entre outros agentes infecciosos, além da coleta e tratamento do esgoto. Tudo isso tem como principal objetivo proporcionar saúde da população.

Em resumo, o saneamento básico trata das várias ações e procedimentos que são adotados, para que exista a possibilidade mínima de vida higiênica, saudável e digna para os habitantes de determinado local. É um serviço fundamental e indispensável , tanto para a população em geral, quanto para o meio ambiente, podendo ser prestado tanto por empresas públicas, quanto privadas.

As medidas de saneamento básico visam garantir condições de saúde para a população, e as principais que podem ser citadas são: tratamento de água, coleta e tratamento de lixo orgânico (que são aqueles que não podem ser reciclados e que são depositados em aterros sanitários), canalização e tratamento de esgoto, coleta de materiais recicláveis, entre outros.

Esses procedimentos cumprem com a proposta de garantir condições melhores de saúde, de modo a se evitar contaminação e disseminação de doenças, além de ser um meio de preservação do meio ambiente.

Importância do Saneamento Básico

Como já foi dito, o saneamento é considerado indispensável para a saúde do ser humano, já que ele é compreendido basicamente como um meio para o controle e a manutenção de coisas que possam ser prejudiciais à saúde.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), descreve esse tipo de medidas como o monitoramento passível de ação, de fatores que possam ser nocivos ao homem, tanto no âmbito mental, quanto no físico e no social.

Em países mais pobres e menos desenvolvidos, o saneamento básico acaba sendo menos efetivo, e as doenças conseguem se propagar de forma endêmica, ou seja, com ocorrência habitual e significativa.

Por isso, os serviços relacionados ao saneamento básico são considerados essenciais. Por meio deles é possível oferecer a mínima condição para o desenvolvimento social. É papel dos governantes e gestores arcar com a responsabilidade e cobrança da aplicação desse serviço, revertendo situações insatisfatórias em lugares onde há falta do saneamento.

Consequências da Falta de Saneamento Básico

Existem alguns pontos que podem ser desencadeados ou agravados quando se há a falta de saneamento básico.

Possíveis dificuldades com a saúde pública:

Ainda de acordo com a OMS, o objetivo do saneamento é promover a saúde do ser humano, e o principal modo de fazer com que possíveis doenças se proliferem é evitando-as. Porém, má qualidade da água, acúmulo de lixo, e envio dos mesmos para locais inadequados, acabam sendo consequência da falta de saneamento, e estimulam o aparecimento de doenças.

Essas doenças vão desde leptospirose e disenteria, até ao agravamento de epidemias já existentes, como a dengue, por exemplo. A diarreia é considerada a segunda maior causa de morte infantil, e esse cenário pode ser modificado, desde que haja maior investimento no saneamento.

Prejuízos aos recursos hídricos:

A Organização das Nações Unidas (ONU), declara que o acesso a água é um direito indispensável ao ser humano, porém, existem muitas pessoas que não possuem acesso a esse item.

Em diversos locais os esgotos acabam correndo a céu aberto, o que além de ser extremamente prejudicial  para a saúde pública, também é preocupante pela poluição gerada, já que várias vezes o esgoto é jogado nos rios sem nenhum tipo de tratamento.

As consequências que isso leva chega até à redução da água potável disponível, que pode ser ainda mais agravado com o crescimento populacional, já que aos poucos a demanda vai sendo maior que a quantidade de água disponível.

Desigualdade social:

Outro caso que deve ser analisado, é o fato de que a imensa maioria dos lugares onde os esgotos não são tratados nem coletados, são aqueles considerados irregulares e que abrigam a população mais pobre. Além disso, essas localidades, em sua maioria, também não possuem serviços de abastecimento de água, fazendo com que ela seja transportada por meios clandestinos.

Isso acentua a desigualdade social, já que os locais com maiores tendências a deslizamentos e inundações, acabam sendo excluídas do planejamento de saneamento básico, tornando as pessoas de classes mais baixas, mais afetadas.

Improdutividade:

Existem pesquisas que apontam que o saneamento básico torna a saúde melhor, diminuindo a incidência de doenças e de morte e fazendo com que as oportunidades de produtividade e de economia sejam ampliadas.

Sobre a parte infantil da população também é notável, já que esse mesmo estudo mostra que quando existe saneamento básico, há possibilidade das crianças aumentarem seu rendimento na escola.

Saneamento Básico no Brasil

O Brasil vem aumentando os seus serviços de saneamento básico, mas ainda existe muito a ser feito, principalmente a respeito de entrega de um serviço de qualidade.

Porém, os índices acabam sendo bem positivos. Existem pesquisas que mostram que 98% da população tem acesso à água potável, mas que 17% não tem água encanada, fazendo ouso de cisternas e rios.

Os ambientes urbanos brasileiros que estão mais sujeitos a não possuir esse privilégio são as zonas periféricas e favelas.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Saúde

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

Deixe um comentário