Favelas do Rio de Janeiro: Roteiro Turístico

A História das Favelas do Rio de Janeiro

O início do aparecimento das favelas na cidade do Rio de Janeiro foi no final do século XIX. Nesse período histórico o Brasil passava por diversas transformações sócio-econômicas que desembocou no inchaço da área central da cidade e com isso apareceram os primeiros cortiços. Os historiadores acreditam que a primeira favela da cidade surgiu no ano de 1897 no Morro de Santo Antônio, porém, a favela considerada a mais antiga do país é a aquela criada no Morro da Providência em que moravam alguns soldados que sobreviveram a Guerra de Canudos. Estatísticas oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) demonstram que cerca de 22% da população da cidade do Rio de Janeiro reside em favelas. A cidade maravilhosa é a cidade com o maior número de moradores favelados do país. Uma curiosidade é que o Governo classifica as favelas como “assentamentos subnormais”.

Favelas Cariocas – Únicas no Brasil

Todas as grandes cidades possuem uma parcela da sua população morando no que é chamado popularmente de favela, porém, com certeza as favelas cariocas têm alguns aspectos bastante peculiares e próprios. Um dos principais diferenciais das favelas do Rio para as das demais cidades é que nesses espaços existem mais de 1000 domicílios além do fato de nesses morros terem surgido os chamados “Complexos de Favelas”. Outro ponto bastante particular é que alguns dos assentamentos próximos acabaram se conurbando um fenômeno mais difícil de ser observado em outras cidades. Além disso, as favelas cariocas ficam bastante próximas das áreas mais nobres e ricas da capital fluminense, esse contraste não é tão observado em outras grandes cidades.

Turismo nas Favelas?

As favelas do Rio de Janeiro se destacam dos assentamentos subnormais de outras cidades também pelo fascínio que despertam nos turistas. Após a chamada pacificação de algumas comunidades as favelas entraram de vez no roteiro de turismo de brasileiros e estrangeiros que visitam a cidade maravilhosa. Além de fotos do contraste social que existe numa das mais belas cidades do mundo o turista busca a imagem arquetípica criada por filmes e novelas brasileiras que retratam os moradores como pessoas alegres e que parecem estar em constante festa. A realidade de quem mora com dificuldades numa comunidade não é tão bonita quanto aquela das telonas e telinhas, porém, ainda assim as pessoas se sentem atraídas pela mágica dos barracos coloridos. A seguir vamos destacar algumas das favelas pacificadas no Rio de Janeiro que se tornaram atração turística.

UPPs

No ano de 2008 aconteceu a instalação da primeira Unidade Pacificadora de Polícia (UPP) no morro Santa Marta. A partir do momento que o morro se tornou reconhecidamente “seguro” os turistas voltaram os seus olhares para ele. O objetivo da instalação da polícia nessas comunidades é oferecer mais segurança e infraestrutura para os moradores da região. Um dos principais benefícios que essa instalação da polícia nos morros cariocas trouxe para o turismo da cidade foi proporcionar aos visitantes a possibilidade de realizar um passeio mais completo e que oferece ainda mais belezas além das já reconhecidamente tradicionais.

UPPs

UPPs

Favela Santa Marta e o Plano Inclinado

O Plano Inclinado é um sistema de bondinho que permite acesso facilitado ao morro. Além de levar os turistas para a incursão no terreno inexplorado da cidade esse bonde também serve como transporte para os moradores da comunidade que antes tinham de subir uma infinidade de degraus. O bonde foi instalado no morro seis meses antes da chegada da UPP e faz o transporte dos moradores por cinco estações do morro de graça. O funcionamento do bondinho é de segunda a domingo das 6h30 a meia-noite. Nos dias de semana o intervalo dos bondes é de 10 minutos, no final de semana é de 30 minutos.

Ponto Turístico

Um dos principais atrativos do Morro Santa Marta é a vista, aliás, foi lá que Michael Jackson gravou o clipe da música “They Don’t Really Care About Us” em 1996. Para tirar uma foto na “laje do príncipe do pop” basta subir até a Estação 4. Nessa laje o visitante encontra um monumento de bronze que celebra o espaço. O monumento foi inaugurado no dia 26 de junho de 2010, um ano apo o falecimento do artista e além de uma estátua do mesmo é possível conferir um mosaico, criado pelo artista plástico Romero Britto. A Estação 5 que é a última parada do bondinho conta com a sede da UPP na qual funciona diversos programas sociais que são abertos a comunidade.

Ponto Turístico

Ponto Turístico

Santa Teresa

Um dos bairros considerados menos cariocas da cidade devido a falta da margem da praia é também um dos pontos obrigatórios de turismo da cidade. Um dos destaques da região vai para os bares à moda antiga e também para as boutiques de artesanato local. Na época de carnaval é bem interessante ir ao Largo do Curvelo no qual é realizada uma grande festa com muitos foliões. Vale a pena também visitar o Parque das Ruínas que oferece uma visão incrível do Aeroporto Santos Dumont até a Urca. Nesse bairro também é possível visitar a chácara em que Benjamim Constant morou. A casa do líder republicano foi transformada num museu que tem artes plásticas, móveis, livros e outros objetos que ajudam a contar a história do nosso país. Pelo bairro é possível chegar ao Morro dos Prazeres que também passou pela pacificação assim como o morro do Escondidinho. A UPP Prazeres/Escondidinho oferece diversos programas e projetos sociais de inclusão para os moradores. Para conhecer o Morro do Escondidinho é possível fazer o acesso pela Rua Barão de Petrópolis que fica no bairro do Rio Comprido.

Favelas do Bairro do Leme: Babilônia e Chapéu-Mangueira

A menos de 200 metros da Praia do Leme estão duas importantes comunidades do Rio de Janeiro que passaram pelo processo de pacificação, Babilônia e Chapéu-Mangueira. Para chegar a comunidade da Babilônia é necessário subir pela ladeira Ary Barroso (lado esquerdo), já para chegar a comunidade do Chapéu-Mangueira é necessário subir pelo lado direito. Um dos principais atrativos das comunidades é a bela vista que oferecem para as praias do Leme e de Copacabana. A favela Chapéu-Mangueira fica na encosta do Morro da Babilônia que está dentro de uma área de proteção ambiental.

Favelas do Bairro do Leme: Babilônia e Chapéu-Mangueira

Favelas do Bairro do Leme: Babilônia e Chapéu-Mangueira

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Cultura

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

Deixe um comentário