Doping no Esporte

Nas ultimas semanas as notícias sobre os 5 atletas brasileiros flagrados com uso de substâncias ilícitas, que configuram doping abalou a comunidade desportiva do Brasil. O uso de doping em esportes considerados de alto rendimento, como é o caso do atletismo é um fato que tem acontecido com frequência cada vez maior, mas sua divulgação sempre surpreende e choca o público, seja pela seriedade das consequências desse ato ou mesmo porque sempre que pressupõe que esporte e ética estejam relacionados. Os 5 atletas brasileiros surpreendidos pelo exame anti-doping foram Josiane Tito, Lucimara Silvestre, Luciana França, Jorge Célio Sena e Bruno Lins, todos os 5 estavam classificados e se preparavam para disputar o Mundial de Berlim, mas foram suspensos, pelo uso de eritropoietina, ou hormônio EPO. O técnico do grupo, Jayme Netto Junior assumiu a responsabilidade pela indicação da substância aos seus atletas e está suspenso pela CBAt – Confederação Brasileira de Atletismo.

Casos

Casos

O doping no esporte se configura pela utilização de drogas consideradas ilícitas  segundo a classificação da Agencia Mundial Antidoping e pelo COI – Comitê Olimpido Internacional. Estes dois órgãos mantém uma listagem atualizada dos medicamentos e substancias consideradas proibidas para o consumo de atletas, e portanto ilegais. Essas substâncias são divididas em cinco classes principais que são os anabolizantes, os diuréticos, os hormônios, os analgésicos narcóticos e os estimulantes, todos eles atuam no organismo humano fazendo com que o corpo tenha maior rendimento e produzindo mais testosterona, no entanto causam consequências e efeitos colaterais graves para os atletas. O uso de qualquer substancia elencada pelo COI é caracterizado como uma infração dos códigos disciplinares e éticos e portanto está sujeita a sanções aos  atletas, treinadores, médicos e dirigentes que porventura estejam envolvidos.

Doping no Esporte

Doping no Esporte

A primeira substancia criada pelo homem para melhorar sua capacidade de rendimento foi a anfetamina, desenvolvida na Alemanha no ano de 1938, marco a partir do qual inicia uma incessante busca pela superação dos limites estabelecidos pelo próprio homem, que no esporte recebem a denominação de recordes. Depois da anfetamina muitas outras substancias desenvolvidas são usadas de forma ilícita para ampliar a potencialidade dos esportistas. O caso dos atletas brasileiros trouxe essa questão para a discussão novamente, mas no decurso da história foram muitos os atletas que fizeram uso dessas drogas para melhorar seu rendimento e agilidade nas competições.

Famosos

Famosos

Muito se tem pesquisado para melhorar a performance  dos atletas em cada competição, com uso da informática, aliados a medicina a farmacologia, sistemas nutricionais e toda uma estrutura com a mais avançada tecnologia utilizada para a preparação dos atletas e dos seus equipamentos que visto a sua perfeição parecem a própria extensão de seus corpos, como por exemplo das roupas dos nadadores no ultimo campeonato mundial e jogos olimpicos. O objetivo das competições esportivas é de superar os limites e marcas, mas deve ser uma luta justa entre desportistas e suas equipes, usando métodos e estratégias licitas, para que assim, e somente assim, os limites e as superações possam realmente serem válidos.

51 comentários

  1. Ricardo está com AVC, más acho que ele vai se recuperar, vamos todos rezar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>