O Que É Gigantismo?

Gigantismo consiste na condição caracterizada pelo crescimento excessivo e altura acima da média em termos significativos. Nos seres humanos essa condição é causada pelo excesso de produção do hormônio de crescimento na infância, resultando em pessoas com altura acima dos dois metros.

Terminologia do Gigantismo

O termo é aplicado àqueles cuja altura não é apenas parte superior a 1% da população, mas que têm vários desvios de padrões acima da média do que as pessoas do mesmo sexo, idade e ascendência étnica.

O termo é aplicado às pessoas com tamanho “acima da média”, cuja altura parece ser o resultado saudável das normais genéticas e nutrição. No entanto, especialistas atestam que o gigantismo se origina por um tumor na glândula pituitária do cérebro que altera crescimento das mãos, face e pés.

Gigantismo

Gigantismo

Em alguns casos a doença pode ser transmitida de modo genético através da ação do gene mutante. Pessoas com gigantismo sofrem problemas de saúde que envolve o sistema circulatório ou esquelético.

Gigantismo na História

Os gigantes da ilha de Creta são listados em várias fontes históricas, começando com os titãs, gigantes da mitologia grega, incluindo os Gigantus – raiz da palavra gigantismo. Os ciclopes também entram na lista, filhos de Poseidon, reis dos mares conforme a antiga tradição da Grécia. Odisseu cegou um deles ao voltar das batalhas de Troia.

Rhodes é outra ilha na qual os gigantes podem ter vivido, como o Colossus de Rodes, uma estátua gigante do deus Hélios. Golias, outro gigante mencionado na Bíblia, foi guerreiro filisteu morto por David em uma batalha entre os israelitas e filisteus. O representante de Israel conseguiu acertar a cabeça do inimigo após lançar pedra da própria funda.

http://www.youtube.com/watch?v=FkTTuKuoXdo

Qual o Diagnóstico Para Gigantismo?

Hipersecreção de hormônio de crescimento provoca gigantismo em crianças e acromegalia em adultos. Avaliação da hormona não pode ser excluída com um único nível de GH normal devido à variação.

No entanto, uma amostra de sangue traz resultados aleatórios que mostram de maneira marcada os elevados níveis de GH adequados para o diagnóstico de hipersecreção. A taxa normal não consegue suprimir a administração de glicose suficiente para diagnosticar.

IGF-1: Teste para avaliar a hipersecreção de GH. Ele não sofre variação diurna e por isso será elevado em pacientes com gigantismo.

Gigante de Castelnau

O gigante de Castelnau foi uma descoberta de osso fóssil que pode representar um dos maiores seres-humanos que já existiu de maneira provada no globo terrestre. A estrutura óssea é da Idade do Bronze, achado em túmulo que data o período Neolítico. Consisti de úmero, tíbia, fêmur e eixo. O cientista que fez a descoberta em 1890 estima tamanho em aproximados três metros de altura.

Os ossos foram descobertos pelo antropólogo Georges Vacher de Lapouge, no cemitério da Idade do Bronze de Castelnau, na França, inverno de 1890. Os resultados foram publicados na revista La Nature, vol. 18, Edição 888.

A altura do indivíduo foi estimada em cerca de três metros de acordo com Lapouge, A revista La Nature inclui uma texturização identificada em úmero, tíbia e fémur – eixos médios que evidenciam gigantismo em comparação com o tamanho normal dos seres humanos da época.

Saiba Mais

Saiba Mais

Escrevendo na revista La Nature, de Lapouge descreve em detalhes: “Eu acho que não é necessário notar que esses ossos são inegavelmente humanos, apesar dos enormes tamanhos… O primeiro é a parte do meio do eixo de um fêmur, quatorze cm de comprimento. Segundo consiste no meio e zona superior de haste da tíbia com circunferência de treze centímetros. Comprimento do fragmento equivalente a 26 cm… O terceiro, muito singular, foi considerado parte inferior de um úmero”.

Os ossos do gigante Castelnau foram estudados na Universidade de Montpellier e examinados por M. Sabatier, professor de Zoologia, e M. Delage, mestre de paleontologia do mesmo centro de estudo, além de outros anatomistas renomados dentro e fora do território francês. Em 1892, os ossos foram estudados pelo Dr. Paul Louis André Kiener, professor de anatomia patológica na Faculdade de Medicina de Montpellier.

Em 1894 as informações de imprensa mencionaram outra descoberta de ossos de gigantes humanos desenterrados em cemitério pré-histórico de Montpellier, na França (cinco quilômetros ao sudoeste de Castelnau), enquanto os trabalhadores estavam escavando um reservatório de água para identificar problemas no sistema de abastecimento. A suspeita é que as estruturas ósseas são de homens com altura entre dez e quinze metros.

Síndrome de Supercrescimento

Síndrome de supercrescimento é um grupo de doenças genéticas em que há um aumento anormal no tamanho do corpo ou de uma parte observada desde o ponto do nascimento.

Exemplos de síndromes de supercrescimento incluem neurofibromatose, síndrome de Sotos, síndrome de Beckwith-Wiedemann, síndrome de Simpson-Golabi-Behmel, síndrome de Weaver, síndrome de Proteus, síndrome de Sturge-Weber, malformação do crânio, entre outros exemplos.

http://www.youtube.com/watch?v=qvMLhU6Jz5c

Síndrome de Marfan

Doença genética do tecido conjuntivo. As pessoas com Marfan tendem a serem altas, com longas pernas, dedos longos e finos. A herança genética é traço dominante, realizada pelo gene FBN, responsável por codificar a proteína conjuntiva.

Síndrome de Marfan: Gama de expressões, de leve a grave. As complicações são defeitos das válvulas do coração e da aorta -nome dado à maior e mais importante artéria do sistema circulatório . Também pode afetar os pulmões, olhos e medula espinhal.

Síndrome de Marfan não prejudica a inteligência. Pelo contrário, os pacientes possuem as médias acima do normal. Um estudo revela que o QI de crianças com o quadro clínico traz 109,3 pontos! Franceses pediatras foram os primeiros a descrever essa doença em meados do ano de 1896.

Na prática existem quase trinta sinais e sintomas associados à Síndrome de Marfan. O mais importante destes, que afeta o sistema esquelético, é encontrados em numerosas outras doenças.

Não é possível fazer o diagnóstico de Síndrome de Marfan apenas por causa da aparência da pessoa. Em grande parte dos casos o médico especialista requer a avaliação dos achados clínicos e de laboratório não esqueléticos, em especial nos olhos, na aorta e no coração.

A maioria dos sinais visíveis está associada com o sistema esquelético. Certos indivíduos que possuem síndrome de Marfan crescem à altura acima da média. Alguns têm membros delgados, dedos e pés longos!

Artigo Escrito por Renato Duarte Plantier

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Doenças

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário