Doenças Tratadas Com Cannabis

O uso da maconha no tratamento de problemas de saúde vem sendo muito discutido no mundo todo. Alguns países permitem o uso, enquanto outros, julgam ilegal o uso da cannabis mesmo que seja para fins terapêuticos.

A cannabis na verdade vem sendo usada como alternativa no tratamento de vária doenças. Alguns estados dos Estados Unidos, por exemplo, já liberaram inclusive o cultivo da cannabis para fins terapêuticos.

Sobre a Cannabis

A cannabis popularmente conhecida como maconha entra na lista das drogas, pois age no sistema nervoso criando um tipo de alteração na percepção que tem as pessoas. Porém, vários estudos médicos já foram feitos no sentido de usar a cannabis no tratamento de saúde. Por isso, eles pedem que a cannabis medicinal seja liberada para tratar das doenças que, segundo os médicos, podem ser combativas com a substância.

O canabinoide THC (tetrahidrocanabinol) é o princípio ativo da maconha que pode ajudar a combater sintomas de várias doenças. A quantidade varia de acordo com os sintomas, as doenças e pacientes. Além de variar, considerando o quanto do princípio ativo tem na cannabis utilizada.

Em alguns tipos de cannabis o teor do THC é muito alto e por isso são indicadas para determinadas doenças, enquanto em outras, menos complexas, é necessário que o teor do THC seja inferior, seja mais baixo.

As Doenças Que Podem Ser Tratadas Com a Maconha Medicinal

O câncer, a AIDS e o TDAH, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade são algumas das doenças que podem ser tratadas com cannabis, mas não só, podemos colocar na longa lista, mais essas doenças:

  • Esclerose múltipla
  • Náusea provocada pela quimioterapia
  • Glaucoma
  • Doença de Crohn
  • Insônia
  • Epilepsia
  • Artrite
  • Falta de Apetite
  • Síndrome de Tourette
  • Anorexia
  • Esclerose lateral amiotrófica
  • Caqueixa
  • Fibromialgia
  • Distrofia muscular
  • Mal de Alzheimer

Pesquisas Tentam Justificar o Uso Medicinal da Cannabis

Muitas pesquisas estão sendo feitas no sentido de fazer com que a cannabis venha a ser aceita pelo seu poder de cura. Os cientistas tentam desvincular o poder para curar da cannabis do efeito que ela causa de alterar o humor de quem a usa. Porém, o resultado das pesquisas demonstram que ao usar o THC da cannabis para fins medicinais, as pessoas sentem a mesma sensação de alteração, o popular “barato”, no momento em que a substância está atuando como medicinal. Exatamente por esse fato que muitos cientistas se colocam contra o uso da maconha para fins medicinais. Para a grande maioria dos médicos, a cannabis estará sempre agindo como uma droga no organismo.

Como Funciona a Substância da Maconha no Organismo Para Fins Medicinais

O chamado THC que é a substância da maconha que serve para fins medicinais atua ligando os receptores de endocanabinoide do cérebro e fazendo assim que o paciente sinta a redução da dor e da ansiedade. Além de alterar a consciência.

Nos Estados Unidos, assim como é no Brasil, cuja as leis federais proíbem o uso da maconha, em alguns estados, que são independentes para criar as suas próprias leis, para fins medicinais, a cannabis foi liberada. Nesses estados, uma pessoa que sofre de insônia pode receber do médico uma preescrição para usar a cannabis para resolver o problema.

A maconha medicinal, aliás, está gerando muitos benefícios financeiros para os estados americanos que permitem o seu uso. Só a Califórnia chega a movimentar mais de 1 bilhão de dólares por ano e para o governo isso representa, de impostos, 100 milhões.

Doenças e o Uso da Cannabis

  1. No caso do câncer, o paciente é submetido a quimioterapia, que resulta em fortes enjoos e os remédios que existem não são eficazes para combater esse mal. Médicos que experimentaram a cannabis medicinal, neste caso, obtiveram ótimos resultados. Conseguindo aliviar náuseas e enjoos.
  2. Os portadores do vírus HIV que são tratados com a cannabis sentem fome, estado que por causa da doença, eles perdem e acabam em consequência perdendo peso em excesso. Quanto mais magro, mais debilitado o paciente fica e isso não é bom para quem tem AIDS. Porém, os estudos que foram feitos até agora não comprovam se a maconha também não cria nenhum tipo de alteração nociva para o sistema imunológico.
  3. Na esclerose múltipla, a cannabis é usada para amenizar os sintomas da doença, como por exemplo, dores fortes, espasmos musculares, mau funcionamento da bexiga e do intestino.
  4. A cannabis também seria uma boa solução para diminuir as cólicas menstruais. Além do uso da substância por pacientes que estão em recuperação de algum tipo de cirurgia com intuito de aliviar as dores pós-cirurgia.
  5. No caso do glaucoma, a cannabis é usada para fazer com que o tratamento seja mais eficaz. Porém, neste caso, a quantidade de maconha é bem alta para que funcione na terapia, sendo uma dose da substância recomenda a cada 3 ou no máximo 4 horas. A cannabis consegue diminuir a pressão intraocular provocada pela doença. Porém, por outro lado, o paciente ficaria exageradamente fora de si, por conta do efeito de alteração da percepção da droga.

Cannabis Medicinal no Brasil

A cannabis para uso medicinal não foi liberada no Brasil. A droga é proibida e mesmo para o combate de doenças não é permitido o seu uso.

Os países que já liberaram a cannabis para o tratamento de doenças diversas foram: alguns estados dos Estados Unidos, o primeiro deles, a Califórnia, a Austrália, a Espanha, o Canadá, a França, Israel, o Reino Unido, a Itália, a Suíça, já a Holanda, a maconha também é liberada para uso recreativo. Nesses lugares é permito o uso para finas medicinais e também o cultivo da planta.

No Brasil, a cannabis ou popular maconha é proibida para consumo de qualquer forma e quem produz ou faz a venda da substância não só pode ir preso, com pena que varia entre 5 a 15 anos, como deve pagar uma multa que varia entre 500 e 1.500 reais.

O usuário de qualquer droga ilícita no Brasil não é preso e nem processado, mas se pêgo pela polícia com a substância é obrigado a participar de punições educativas.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Doenças

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário