Bebê Feliz

As vezes interpretar sobre o estado de um bebê é difícil e analisar se ele está de fato confortável e feliz pode ser uma tarefa complicada. Para isso ser mais eficiente, é necessário conhecer meios de analisar alguns sinais menos explícitos.

É evidente que todos os pais querem que seus filhos tenham o melhor e desejam que eles sejam saudáveis e alegres, além de prezar por atividades de cunho estimulante e que contribuam no desenvolvimento da criança, e em alguns momentos pode surgir a dúvida – ainda que com todos os cuidados –: Meu bebê está feliz?

Alguns estudiosos e especialistas na área dizem que a felicidade de uma criança não é algo que pode ser oferecido como um presente embrulhado, mas sim com diversas e simples atitudes. Os estudos dessas pessoas também afirmam que as crianças que são mimadas em excesso – tanto com brinquedos, ou cercadas de muita proteção e privadas de desconfortos emocionais – tem a tendência de serem adolescentes e adultos mais entediados e até mesmo tristes.

E daí vem a principal ideia de que os principais fatores de felicidade são interiores, e não exteriores. Por isso, é de extrema importância que se ajude as crianças a desenvolverem meios de se fortalecerem emocionalmente, criando ferramentas interiores que irão ajudá-la para o resto da vida. Esses ensinamentos exigem bastante paciência e flexibilidade dos pais e responsáveis

Para que se possa começar a interpretar os sinais do bebê, é importante ter em mente que conforme a criança vai crescendo e amadurecendo, ela se torna mais interativa e sociável, e por volta do seis meses o bebê já começa a entender formas de demonstrar quando algo lhe satisfaz ou lhe incomoda. E isso é demonstrado das formas mais tradicionais possíveis, quando algo lhe faz feliz é comum que a criança se ilumine com um lindo e radiante sorriso, mas ao contrário, se algo a aborrece, o choro e até mesmo a birra se tornam inevitáveis.

Essas variações no humor e nas emoções tem explicação científica e existem estudos que comprovam que os bebês são mais inconstantes pelo fato de que o cortéx cerebral deles – parte do cérebro que controla respostas automáticas – ainda não funciona absolutamente bem. Assim, com o passar do tempo e na medida que o córtex vai se desenvolvendo, a criança passa a ter maior controle sobre seus comportamentos e seus humores.

É bastante comum que os pais achem que os bebês choram mais do que sorriem, e acabam ficando bastante preocupados com isso, porém isso é natural. Isso acontece basicamente, porque os bebês sentem mais cedo sentimentos ligados à angústia e a tristeza, do que ligados à felicidade. O choro deles e as expressões faciais de desconforto existem por um motivo bem importante, pois servem como um sinal de alerta para os adultos, para que percebam que é necessário auxiliá-los a resolver algum problema.

Para Fazer um Bebê Feliz

Cada família encontra sua maneira de entender asa emoções de seu bebê e formas de alegrá-lo quando necessário, porém, existem algumas dicas que costumam funcionar bem de modo geral e facilitar no bem estar da criança. Algumas delas serão apresentadas agora.

– Criação de um espaço e de um momento para diversão:

Ainda que as crianças se encantem facilmente com brinquedos, móbiles e outros artigos infantis, o que mais as torna feliz são os pais. Esse é um fator muito importante para cultivar a felicidade em crianças das mais variadas idades, inclusive nos bebês.

Por isso é interessante que os pais estabeleçam uma boa relação com o bebê, sempre brincando e se divertindo com ele. Isso faz com que a infância seja uma “infância ligada”. Também é importante que se estimule sonhos e criatividade nas crianças um pouco maiores, fortalecendo o emocional das mesmas.

– Auxílio no desenvolvimento de talentos:

Alguns estudos apontam que as crianças felizes tendem a dominar as mais diversas competências, se tornando mais disciplinadas e persistentes e se alegrando com seu próprio esforço. Assim, também é interessante que se reconheça os feitos e as vitórias dos pequenos, pois isso incentiva na alegria deles.

– Entender que um corpo saudável é necessário para uma criança saudável:

Quantidade de horas de sono adequadas, praticar algum tipo de exercício e ter uma alimentação saudável é importante para qualquer pessoa, e isso não é diferente para uma criança. As atividades físicas funcionam mais como um modo de soltarem energias, e podem ser realizadas na forma de brincadeiras.

É válido ressaltar que a alimentação saudável é importante, mas que os bebês até seis meses devem ser alimentados única e exclusivamente com o leite materno e que na introdução alimentar é interessante – caso os pais possuam condições – contar com o auxílio  e com as orientações de profissionais da nutrição.

– Deixar as crianças expressarem seus sentimentos de tristeza:

Quando o bebê cresce um pouco, é possível ir o incentivando a identificar e expressar seus sentimentos, até mesmo antes deles começarem a falar, pode-se utilizar imagens para que eles apontem como estão se sentindo. Quando eles já podem falar, expressar seus sentimentos verbalmente pode fazer com que eles fiquem mais capacitados para entender e controlar o que estão sentindo, refletindo um equilíbrio emocional considerável.

Enfim, tendo essas dicas em mente, e mais do que isso, agindo sempre com amor e cuidado, é possível fazer com que o bebê se sinta feliz e acolhido na maior parte do tempo, e consequentemente, o faz crescer de forma a ser um adolescente e adulto feliz.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Crianças

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

Deixe um comentário